Tradutor

Número total de visualizações de página

SLIDE

Use um sistema de chat para ganhar mais clientes em seu site click no banner abaixo


Pesquise aqui o que deseja

Nada a perder


Saiba como blindar Seu Casamento,Namoro e ou Noivado


Ouça Radio on-line

Formulário de envio de novidades

quarta-feira, 20 de junho de 2018

Bitcoin Adota Sistema de Validação de Transações com Banco

Mercado Bitcoin Adota Sistema de Validação de Transações com Banco Brasil PluralA Manterá , empresa brasileira de soluções digitais para os segmentos financeiro, varejista e de gestão de riscos, otimizou a integração entre Mercado Bitcoin, uma das mais antigas corretora de criptomoedas da América Latina, e o banco Brasil Plural.

Conforme a assessoria de imprensa exchange brasileira, a empresa desenvolveu uma API (Application Programming Interface) que permite uma transmissão de informações mais rápida entre o banco e a corretora. Além disso, deu mais segurança e escala às transações.
Antes da implantação, as mais de 4 mil transferências em um mesmo dia realizadas pelos investidores de moedas digitais eram validadas e conferidas manualmente, fazendo com que o processo demorasse mais que o necessário. Após algum tempo de testes, a API foi implementada e teve seu primeiro movimento em março de 2018.
Agora, em cerca de 15 minutos, o autor e o valor da TED são identificados e o crédito é realizado na plataforma de negociação da fintech.
“A relação entre fintechs, especialmente as que transacionam criptomoedas, e o sistema bancário tradicional tem histórico conturbado. Entretanto, a parceria entre Mercado Bitcoin e Brasil Plural, impulsionada pela nossa plataforma, comprova que as oportunidades de negócio para ambos os lados ainda é grande”, disse Carlos Netto, CEO da Matera, no artigo enviado à imprensa.

Movimentos do Banco Plural

Não é a primeira vez que o Banco Brasil Plural faz uma aproximação com o mercado de criptomoedas. No início de maio, a Genial Investimentos, plataforma de investimentos do Grupo Brasil Plural, comprou uma participação de 18% na Finchain, empresa que controla a FlowBTC, outra corretora de criptomoedas nacional.
Na época, a empresa afirmou que escolheu se associar a Finchain porque a empresa também atuava em outras frentes como a plataforma de educação, assessoria de investimentos no segmento e a expertise na estruturação de ofertas iniciais de moedas .


Enviar um comentário